sábado, 26 de novembro de 2016

Quando você não sabe o que quer

Oi, kiridas!
Queria começar dizendo que esse post era pra ter saído já há algum tempo, logo que eu fiz o vídeo falando sobre meu desaparecimento do blog. Mas, nada nunca sai como planejo, impressionante.
O que eu vou falar aqui é mais um desabafo sobre minha vida atual. Sou bem melhor escrevendo que falando, então talvez tenha coisas no post que não tem no vídeo.
Bom, vamos lá...
Há uns anos atrás, mais precisamente dois anos e meio, eu me vi em uma situação caótica em relação a todos os aspectos da minha vida. Eu estava há seis meses de me graduar pela primeira vez, tinha acabado de sair de um dos anos mais complicados da minha vida social e amorosa, tinha acabado de passar um ano todo me doando e me desgastando por alguém que não me dava a mínima e, pra completar, vinha sofrendo muitas críticas e acusações na faculdade, simplesmente por viver da forma que eu queria viver.

Foi um começo de ano muito difícil. Enquanto os dias passavam, eu só pensava que queria as férias e ir embora desse martírio que era viver aqui. Passei a odiar muitas pessoas, passei a me isolar, passei a ter vergonha de quem eu era, do que eu fazia, das minhas escolhas... passei a me esconder. Os únicos pensamentos que eu tinha na cabeça era que eu queria que tudo isso acabasse pra sempre. Eu quis ir embora e nunca mais voltar. Eu chorava sempre que tinha que encarar a faculdade novamente.

Esse processo todo foi muito decisivo para desencadear sérias crises do meu transtorno de ansiedade. Convivi com isso a minha vida toda, mas crise mesmo eu só tive nessa época. Eu chorava horas, passava dias na cama, tinha pânico de pensar em voltar para aquele lugar.

Tudo isso também contribuiu para algo maior: eu descobri que não gostava do curso que estava fazendo. Pra ser sincera, até hoje eu não tenho certeza se gosto ou não. Como todo bom curso, tem seus prós e contras, mas acredito que tudo que eu passei na faculdade me fez pegar uma aversão á profissão.

A partir desse começo de ano, minha vida se tornou um copilado de tentativas falhas, desespero, culpa e desistência. Eu odiava estar onde eu estava, eu odiava a faculdade, eu odiava a ideia de odiar tudo isso e odiava saber que estava decepcionando as pessoas que mais me amam nessa vida. Desde 2014, minha vida passa e eu não vivo. Não consigo colocar nada em prática, eu só existo.

Eu já tinha tido um blog e um canal e já sabia me maquiar. Descobri uma grande paixão em tudo isso, mas nunca tive coragem de ir atrás de algo profissional para viver disso e esquecer o mercado financeiro. Por medo e vergonha, eu continuei uma coisa que eu não queria, guardei tudo que eu gostava pra mim e continuei existindo.

É claro que quando a gente guarda demais a explosão é muito maior. E foi exatamente isso que aconteceu. Eu não tenho lembranças de coisas boas que aconteceram em 2014 e 2015, só me lembro de ter feito várias coisas que eu não queria, de chorar e entrar em pânico só de ter que ir pra aula. Nunca faltei tanto às aulas na minha vida igual nos últimos anos.

Esse ano, porém, eu tomei coragem e voltei a tentar ser blogueira e youtuber, mesmo tendo 22 anos (agora 23) e ouvindo as pessoas falarem que isso não é pra pessoas da minha idade. Mas, em março desse ano, e isso vocês já sabem, passei por um término muito traumático que foi o gatilho para um início de depressão. Se nos anos anteriores eu só existi, nesse eu vegetei. Eu não era nada, não fazia nada, vivia na cama, sem comer, sem viver. Bom, não vou falar sobre isso de novo, tem dois vídeos no canal sobre.

Foi então que em julho desse ano fui viajar pra SP (meu lugar favorito no mundo) e decidi que ia tentar mais uma vez essa coisa de gostar do que eu fazia. Voltei com as energias renovadas, decidida a ser uma boa blogueira, youtuber e, principalmente, aluna. Olha, não vou dizer que deu certo rs. Como você já perceberam, eu abandonei o blog e o canal e minha vida virou de cabeça pra baixo. Eu não conseguia me organizar, não sabia por onde começar, o que fazer e acabava nunca fazendo nada.

Essa semana eu parei pra refletir sobre o que eu quero. Comecei escrevendo o que eu tenho que fazer e, olha, tenho muita coisa pra fazer em relação a tudo. Refleti sobre meus gostos e sobre o que eu queria de profissão. Revi meus sonhos e reparei como o blog estava abandonado.

Cheguei à conclusão que eu amo escrever e amo gravar e vou me esforçar muito para manter uma rotina aqui e no canal. Também decidi que está na hora de viver sozinha e cuidar de mim em todos as áreas da minha vida. Algumas coisas que eu queria para o ano que vem terão que esperar a minha estabilidade para acontecer, mas estou organizando minha vida para isso.

É claro, não vai ser de um dia pro outro que vou deixar essa bagunça que eu chamo de vida em ordem, mas eu tenho que começar de algum lugar e estou fazendo isso. Prometo não sumir mais. Isso é o que eu amo e o que eu quero fazer.

Sim, é muito frustrante chegar ao final de 5 anos de faculdade e descobrir que não é aquilo que você quer para fazer o resto da vida. Mas a parte boa é que, se nada mais der certo, ainda tenho um diploma muito forte no mercado. A questão é que eu acredito que o que eu amo vai dar certo e não vou precisar desse diploma rs.

Mas não foram anos perdidos, pelo contrário, aprendi muitas coisas na faculdade e fora dela, cresci como pessoa, conheci realidades diferentes, aprendi o que é empatia, sororidade, lutas das minorias... São aspectos importantes pra mim, a faculdade construiu a pessoa que eu sou, não tenho dúvida. E é por isso que eu agradeço a Deus por estar onde estou hoje, porque se não estivesse aqui, não seria esse pessoa que eu me tornei.

Enfim, eu sumi de tudo por vários motivos que se tornaram uma bola de neve enorme que me engoliu. Mas estou voltando aos poucos, devagar, com um passo de cada vez. Não dá para reorganizar de uma hora pra outra dois anos e meio de desordens. E eu entendi e aceitei isso. Espero que entendam também.

6 comentários:

  1. Oii Mariane! Tudo bem? As vezes a gente tem essas fases de se sentir perdido. Eu mais do que ninguem acredito que NUNCA perdemos tempo. Estamos sempre aprendendo. Olha que texto super motivador voce conseguiu por tudo o que voce paassou? #tamojunto Beijo

    http://www.verdadeescrita.com/ja-pensou-que-louco/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeca, muito obrigada pela motivação. É mesmo, nada é por acaso né, tudo vem com aprendizado. Beijo

      Excluir
  2. Me encontrei em outro lugar ao ler esse texto, lembrei dos meus últimos dias complicados. As vezes as coisas parecem acabar tomando uma proporção de problemas tão grande que acaba nos sufocando e como uma âncora nos trás para onde parece o fundo do mar. Espero que as coisas tenham ficado melhor para você ! Bjs

    http://negaescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Às vezes, a vida surpreende negativamente, né.. mas aprendi com tudo isso que tudo tem um propósito. As coisas estão voltando ao lugar aos pouco, mas tudo vai dar certo. E fico feliz de ter te tocado com o texto. Beijos

      Excluir
  3. Me identifiquei muito com você, também era bem antissocial, amigos não são uma opção muito ampla para mim, na verdade tenho apenas uma amiga, uma confidente. No meu blog eu também tento escrever coisas que motivem as pessoas a se encontrarem como pessoas. A Garota das Dez Estações, sobre quem eu escrevo, é uma garota como você, como eu, como todas as garotas que tentam sempre se encontrar, garotas que vivem personagens diferentes a cada dia... Sinceramente seja você mesma e seja muito forte.

    https://gabialmeidapereira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, vamos ser amigas hahaha
      As coisas vão se ajeitando com o tempo, tudo passa e é isso que temos que aprender e controlar a ansiedade de que passe agora. Vou ler sobre sua garota :*

      Excluir

KIRIDA VENK | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2016 | POR:
COMPRE AQUI O LAYOUT QUE SEU BLOG MERECEBILLION DOLLAR LAYOUTS